Windows Live Messenger

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

.Fiesp lança o "jurômetro"


Enviado por luisnassif, qua, 30/11/2011 - 11:24

Da Rede Brasil Atual



"Jurômetro" alerta para gasto com pagamento de juros da dívida pública



Lançamento do site criado pela Fiesp ocorre no mesmo dia do início da reunião do Copom, em Brasília. Ferramenta calcula número de casas populares que poderiam ser construídas com o montante



Por: Letícia Cruz, Rede Brasil Atual



São Paulo – O montante gasto pelo governo com pagamento de juros da dívida pública poderia ser revertido em investimento em educação, habitação, renda e transporte, segundo a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Uma ferramenta na internet batizada de "jurômetro" foi lançada nesta terça-feira (29) em evento na capital paulista para mostrar o impacto da política de juros do governo federal. O objetivo da Fiesp é "conscientizar a sociedade" sobre a questão. A apresentação do aplicativo foi feita horas antes da última reunião de 2011 do Comitê de Política Monetária (Copom), que decide sobre a taxa básica de juros da economia, a Selic, atualmente fixada em 11,5% ao ano.



Até as 14h30 desta terça, o "jurômetro" apontava quase R$ 217 bilhões em pagamento de juros sobre a dívida em 2011. A partir de dados oficiais do Banco Central e de ministérios como os de Cidades, Educação e Transportes, são calculados os números de casas populares (3 milhões), de escolas (230 mil) e de novos aeroportos (332) que poderiam ser construídos com o montante.



O site segue o molde do "Impostômetro", ferramenta que contabiliza o pagamento de tributos no período de um ano, mantido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio). O mecanismo é semelhante ainda ao empregado no Pedagiômetro, dedicado a monitorar a arrecadação em praças de cobrança em rodovias estaduais paulistas.



O diretor do Departamento de Competitividade da Fiesp, Ricardo Roriz, apontou que a Selic elevada traz prejuízos tanto para trabalhadores quanto para empresas. Paulo Skaf, presidente da entidade e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), aponta que nem todas as pessoas conseguem explicar o que significa a quantia bilionária. "A maior parte da população não sabe ao menos o que é Copom e o que a redução ou o aumento de um ponto percentual na taxa de juros básica significa", diz.



O jurômetro, lançado por ora apenas na internet, pode receber uma versão física, instalado futuramente em frente ao prédio da Fiesp, na avenida Paulista, e em Brasília, próximo ao prédio do Banco Central. O que se espera, segundo Skaf, é que "o grupo que decide sobre os juros (os diretores da autoridade monetária) se sensibilize com os números".



O pagamento de juros nos 12 meses encerrados em setembro corresponde a 5,8% do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma das riquezas produzidas no país. Isso representa R$ 231,2 bilhões. "Num país onde se diz que falta dinheiro para educação, saúde, segurança e outras coisas, é um absurdo que se pague essa quantia em juros", atacou Skaf.



Em queda



Apesar de a taxa básica de juros da economia apresentar queda nas últimas duas reuniões do Copom – de 0,5 ponto percentual em cada uma – os empresários indicam que a preocupação com a taxa permanece. A média de juros reais do país (descontada a inflação) está em torno de 4,4% ao ano, superior à média internacional, de -2,0%, segundo dados apresentados pela Fiesp. O patamar é um dos mais baixos desde que o real foi implementado, em 1994.



Quanto à expectativa sobre a deliberação do Copom, cujo anúncio é aguardado para a noite desta quarta-feira (30), Skaf mostrou-se otimista tendo em vista as projeções da inflação para 2011 e 2012. "Nada impediria a redução dos juros em um ponto percentual, ou um ponto e meio", defende. Mais realistas em função do comportamento dos diretores do Banco Central nos últimos anos, sindicalistas protestaram em frente à sede da autoridade monetária na manhã desta terça em São Paulo. Eles trabalhavam com um cenário de redução de 0,5 ponto percentual.



Ricardo Roriz lembra que, além da Selic elevada, a valorização do real ante o dólar traz outros desafios para a economia, com impactos também sobre os trabalhadores. A queda da cotação da moeda norte-americana chegou a 121% no período de junho de 2004 a dezembro de 2010, o que prejudica exportações e favorece importações, causando problemas para a indústria. "A cada quatro produtos consumidos no país, um é importado", frisou. O crescimento das compras de bens de outros países, segundo a Fiesp, fez com que a economia deixasse de produzir R$ 277 bilhões, e de criar 3,5 milhões de postos de trabalho.



Nenhum comentário:

Postar um comentário