Windows Live Messenger

terça-feira, 31 de julho de 2012

As mudanças no tratado energético com o Paraguai


Por alfeu
Do Vermelho.org.br
Paraguai quer mudar acordos energéticos com Brasil e Argentina
Ameaças do governo paraguaio sobre eventuais mudanças em acordos com o Brasil e a Argentina para o uso da energia das hidroelétricas de Itaipu e Yacireta,  aumentaou a tensão aos vínculos com esses países, nesta segunda-feira (30).
Sem ocultar a irritação pela entrada da Venezuela no Mercado Comum do Sul (Mercosul), do qual o Paraguai foi suspenso pela destituição do presidente Fernando Lugo, o atual chefe do Executivo, Federico Franco, arremeteu contra os tratados assinados no campo energético.Ao falar no Instituto de Altos Estudos Estratégicos do ministério de Defesa, Franco não só questionou os preços pagos por Brasília e por Buenos Aires pelo uso de energia procedente das hidroelétrica, senão que sugeriu desviar parte dele a favor de uma empresa canadense.

Trata-se da gigante produtora de alumínio Rio Tinto Alcan que pretende se estabelecer no país através do governo surgido após a destituição de Lugo e com condições seriamente rechaçadas por especialistas e organizações políticas e sociais.

O investimento da Rio Tinto, defendida por Franco em sua intervenção, implicaria, de acordo com quem o criticam, na entrega subsidiada pelo Estado de energia em quantidade maior à consumida por todo o parque industrial nacional.

A esse benefício se agregaria a aceitação de um nível de criação de empregos qualificados como pobres, além de óbvios problemas relacionados ao meio ambiente no local escolhido.

Franco disse que não quer seguir "presenteando" a energia proveniente de Itaipu e Yaciretá ao Brasil e à Argentina e foi taxativo ao sugerir o aumento do consumo por parte de Paraguai para sua entrega a Rio Tinto.

O Paraguai é proprietário de 10 turbinas de Itaipu e apenas utiliza uma e meia e o restante é feito por São Paulo e Buenos Aires, destacou, ao propor a possibilidade de redução das facilidades outorgadas ao Brasil e à Argentina pelos tratados vigentes, segundo divulgou a imprensa local, nesta segunda-feira (30).

Foi ainda mais longe ao anunciar que o Paraguai mudou sua posição e não vai ceder mais energia, senão usá-la para o que chamou industrializar o país.

A delicada proposta de Franco foi apresentada em meio a uma forte campanha dos meios de comunicação paraguaios contra o Mercosul e os presidentes do Brasil, Argentina e Uruguai, acusando o bloco integracionista de ser um clube de Presidentes a serviço da Venezuela.

Fonte: Prensa Latina

Nenhum comentário:

Postar um comentário