Windows Live Messenger

sexta-feira, 5 de abril de 2013


.




Eduardo Neves: O Pai de Toda Gente
 Enviado por luisnassif, sex, 05/04/2013 - 14:54



Por lucianohortencio

Eduardo das Neves - O PAI DE TODA GENTE - Eduardo das Neves - Gravação de 1912. Eduardo das Neves tece uma critica e satiriza a oligarquia que existiu no Ceará, por 16 anos, em fins do século XIX e início do Século XX, capitaneada pelo então Presidente Nogueira Accioly.

O PAI DE TODA GENTE

"A oligarquia Acioli

Para entendermos o que significou a dominação oligárquica na Primeira República vejamos esse caso exemplar:

Presidente do Estado: Nogueira Acioli

Secretário do Interior: José Acioli

Diretor de Seção: Lindolfo Pinto (sobrinho do presidente)

Deputados Estaduais:

Benjamin Acioli, Raimundo Borges e Jorge de Souza (genros do presidente), Jovino Pinto, José Pinto, Pinto Brandão, Padre Vicente Pinto (primos do presidente), Antônio Gadelha (cunhado de um filho de Acioli)

Academia de Direito:

Nogueira Acioli( Diretor), Tomaz Pompeu(cunhado de Acioli / Vice-Diretor), Tomaz Acioli (Lente de Direito Internacional), Antônio Acioli (Lente de Direito Civil), Tomaz Pompeu (cunhado de Acioli / Lente de Economia Política), Jorge de Souza (genro de Acioli / Lente de Medicina Legal)

Liceu:

Professores» Tomaz Acioli, Benjamin Acioli, Jorge de Souza

Escola Normal:

Tomaz Acioli, José acioli e + Sobrinho, sobrinha e irmão do presidente

Intendência Municipal: Antônio Gadelha

Câmara Municipal:

Jovino Pinto (Secretário)

Antônio Acioli (Procurador Fiscal)

Batalhão do Exército: Cap Raimundo Borges (genro de Acioli / Comandante)

Senadores Federais

Tomaz Acioli

Francisco Sá (genro de Acioli)

Deputados Federais

João Lopes (primo de Acioli)

Gonçalo Souto (tio de uma nora de Acioli)

E mais Aciolis em cargos das seguintes repartições: Higiene Pública, Correios, Inspeção Veterinária, Escola de Aprendizes de Artífices, etc; etc;...

“E quem afirmar que no Ceará há uma oligarquia, é porque é muito maledicente”

In “O Coronelismo: uma política de compromisso” Janotti, M. de L.M., p. 65/66"


Nenhum comentário:

Postar um comentário