Windows Live Messenger

terça-feira, 2 de abril de 2013


Ciência sem Fronteiras: maioria dos alunos prefere Portugal
 Enviado por luisnassif, ter, 02/04/2013 - 17:02

Por MiriamL

Do Terra

Ciência sem Fronteiras expõe 'lado feio' do ensino de idiomas no Brasil

Dados do governo federal apontam que a maioria dos estudantes prefere ir para a Portugal. Falta de domínio no inglês é principal motivo




Angela Chagas



Dados obtidos nesta semana pelo Terra apontam que de um total de 22.885 bolsistas que estudam no exterior por meio do programa Ciência sem Fronteiras, 2.935 estão em Portugal, o que corresponde a praticamente 13% do total. Representantes de universidades brasileiras e o próprio governo consideram o número extremamente alto, principalmente se levado em conta que o Brasil tem convênio de intercâmbio com 20 nações. Segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia do Ministério da Educação, o problema está na falta de domínio de outros idiomas por parte dos estudantes brasileiros.

Para o professor José Carlos Almeida Filho, pesquisador do Departamento de Línguas Estrangeiras da Universidade de Brasília (UnB), o Ciência sem Fronteiras – lançado em dezembro de 2011 com o objetivo de oferecer mais de 100 mil bolsas de estudo em quatro anos – expõe o "lado feio" da educação no Brasil. "Essa ida para o exterior é muito saudável, mas mostrou o lado feio, as pessoas não estavam percebendo o quanto é fraco o ensino de idiomas nas escolas do Brasil". Segundo ele, falta uma política de longo prazo para garantir o aprendizado, principalmente de inglês e espanhol. Investimento na formação de professores, aumento da carga horária de aulas e diversificação do material didático são alguns pontos apontados pelo pesquisador.


Essa ida para o exterior é muito saudável, mas mostrou o lado feio, as pessoas não estavam percebendo o quanto é fraco o ensino de idiomas nas escolas do Brasil

José Carlos Almeida Filho Professor da UnB

O vice-secretário de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Nicolas Maillard, concorda que o ensino de idiomas é o maior entrave para o sucesso do programa federal. Na instituição gaúcha, a que mais envia bolsistas para o exterior pelo Ciência sem Fronteiras, a procura por Portugal reflete a formação dos jovens. Segundo Maillard, no último edital – com inscrições feitas em janeiro – foram 174 candidatos para estudar no país europeu. Em segundo lugar na procura, a Inglaterra teve menos da metade dos interessados – 85 inscritos.

"Sem dúvida essa procura por Portugal é tão desproporcional por causa do idioma", afirma Maillard, pesquisador francês que mora em Porto Alegre há 10 anos. Ele diz que essa preferência prejudica o sucesso do programa, já que as universidades portuguesas não estão preparadas para receber tantos brasileiros. Mas o maior problema, observa, é que um dos princípios do Ciência sem Fronteiras é mandar os estudantes para vários países, para fazer pesquisa em instituições de ponta. "Tem algumas boas universidades em Portugal, mas também queremos mandar nossos alunos para as melhores da Inglaterra, França, Espanha, Alemanha, Estados Unidos", disse, ao citar ainda que o estudo de línguas também faz parte dos intercâmbios, o que fica limitado se a grande maioria vai para um país onde se fala o mesmo idioma do Brasil.


Tem algumas boas universidades em Portugal, mas também queremos mandar nosso alunos para as melhores da Inglaterra, França, Espanha, Alemanha, Estados Unidos

Nicolas Maillard Vice-secretário de Relações Internacionais da UFRGS

Para participar de intercâmbios em países que falam inglês, espanhol, francês, entre outros idiomas, o estudante precisa demonstrar domínio da língua, por meio de testes de proficiência. No novo edital do Ciência sem Fronteiras, o governo decidiu baixar o nível de conhecimento necessário para passar no teste já que a maioria dos candidatos – cerca de 9 mil – havia demonstrado preferência por Portugal. O Toefl, por exemplo, um dos exames aplicados para se avaliar o nível dos alunos, teve a exigência de 72 pontos diminuída para 42. Além disso, ficou decidido que os estudantes vão receber um curso presencial quando chegarem ao país para melhorar o conhecimento da língua.

Para a coordenadora do programa na Universidade de Brasília (UnB), Marta Lins, essas medidas são paliativas e não resolvem o problema da falta de domínio de outros idiomas. "Precisamos pensar na frente para que não haja mais essa saída de baixar a nota para que os estudantes consigam ir para outros países". Segundo Marta Lins, na UnB cerca de 50% dos estudantes que participam do Ciência sem Fronteiras foram para Portugal. "É um número absurdo", comenta.

Segundo o professor da UFRGS, do ponto de vista acadêmio é muito preocupante que os estudantes viagem para outros países sem domínio do idioma. "É complicado para o aluno mudar de país, é muita diferença de cultura, e ainda por cima ter apenas um semestre aprender o idioma", justifica.

Governo tenta solucionar carências com cursos online
Para tentar minimizar os problemas da falta de proficiência em idiomas estrangeiros, o governo federal lançou, neste ano, um curso online de inglês para que os candidatos a bolsas do Ciência sem Fronteiras sintam-se em condições de estudar em outros países. Foram disponibilizadas mais de 2 milhões de senhas para alunos de instituições públicas e privadas que tenham feito ao menos 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo a Capes, em um mês, cerca de 90 mil estudantes já começaram o curso.

A ideia do Ministério da Educação (MEC) é ampliar, posteriormente, a oferta de cursos online de inglês para alunos do ensino médio e ensino fundamental. A aplicação dos testes de proficiência, também apontados por especialistas como um problema já que a demanda é maior do que a oferta, deve ser ampliada. A empresa Mastertes ficará responsável por fazer mais de 500 mil exames Toefl para verificar o nível de inglês dos alunos das universidades brasileiras.

De acordo com José Carlos Almeida Filho, a iniciativa do governo brasileiro de propor cursos online é positiva, mas pontual. "É uma solução paliativa, que não resolve o problema do ensino de idiomas nas escolas. Precisa-se pensar a longo prazo, no que queremos para os próximos 20 anos, e investir na escola, na base". Ampliar o número de aulas seria um bom começo, sinaliza, já que a carga horária do ensino médio hoje comporta apenas duas aulas de inglês por semana. "Isso não é nada, principalmente com professores acostumados a ensinar em português apenas alguns temas sobre a língua estrangeira", completa o pesquisador da UnB

Nenhum comentário:

Postar um comentário