Windows Live Messenger

segunda-feira, 5 de novembro de 2012


.




O lançamento do documentário Cuíca de Santo Amaro
Enviado por luisnassif, seg, 05/11/2012 - 09:34



Por Assis Ribeiro

Lançamento do filme do comentarista do blog, Josias Pires, sobre a obra de Cuíca de Santo Amaro.

Do blog Cuica de Santo Amaro

Longametragem Cuíca de Santo Amaro abre Cine Futuro nesta sexta (9)

Depois do Rio de Janeiro, São Paulo, Luanda, Angola, e Porlamar, Venezuela, o filme Cuíca de Santo Amaro será lançado em Salvador, nesta sexta-feira (9), na abertura do Cine Futuro, no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha, em duas sessões, às 20h e 21h30min. Antes, às 19h, será lançado, no mesmo local, o livro "A Verve de Cuíca", patrocinado pela Fundação Pedro Calmon.

Sinopse do filme:

Na Cidade da Bahia de Todos os Santos dos anos 40 e 50 Cuíca de Santo Amaro atenta contra o pudor e brada contra a hipocrisia, revela em praça pública segredos de alcova e trapaças de ricos marreteiros. É o cronista social. Nada lhe escapa: o custo de vida, os crimes mais comoventes, manobras dos líderes da II Guerra Mundial. Suas histórias não raro obscenas vendem como caninha nas feiras de Salvador e do Recôncavo da Bahia. Transformado em personagem dos escritores Dias Gomes e Jorge Amado e de filmes de Roberto Pires e Anselmo Duarte, Cuíca deixa atrás de si um rastro de polêmica.  “Comigo não tem bronca”, garantia. É a versão popular do boca de brasa, o Gregório de Mattos sem gramática.  Herói e anti-herói. Trovador reporter. O maior comunicador que a Bahia já teve. É um performer antes de Salvador virar metrópole.

A Verve de Cuíca - Este é o título do livro publicado pela Fundação Pedro Calmon, da Secretaria de Cultura da Bahia (Secult), por iniciativa do seu presidente, o professor, escritor, historiador Ubiratan Castro. O livro reúne 20 "livrinhos de histórias" escritas pelo poeta popular, o trovador repórter Cuíca de Santo Amaro; e um texto do escritor paulista Orígenes Lessa que relata encontro com o vate baiano na parte alta do Elevador Lacerda, ocorrido no dia 10 de junho de 1955.  O texto de Orígenes Lessa foi a fonte de inspiração para serem criadas as cenas animadas da abertura do filme.

Leia texto do cineasta Fernando Belens sobre o filme:

http://cadernodecinema.com.br/blog/cuica-de-santo-amaro/

Leia texto de Josias Pires sobre o filme

http://cadernodecinema.com.br/blog/o-vies-do-personagem/

Veja entrevista dos diretores do filme ao programa da TVE Bahia Soteropolis

http://cuicadesantoamaro.blogspot.com.br/2012/08/cuica-de-santo-amaro-no-soteropolis.html

Veja o site do filme:

http://www.docdoma.com.br/cuicadesantoamaro/

Os Diretores do Filme

Josias Pires

Jornalista e cineasta. Diretor da série de documentários da TVE-Bahia "Bahia Singular e Plural", realizando atividades de produtor, pesquisador, roteirista e diretor de TV (junho 1998/ fevereiro 2004) dos seguintes documentários televisivos de 30 minutos, que registram festas, folguedos e rituais populares, veiculados para todo o país pela TV Cultura.

Joel de Almeida

Historiador e cineasta. É um dos principais documentarista baianos na atualidade. Já realizou cerca de 20 documentários desde a década de 80, quando iniciou sua trajetória profissional no cinema.

FILMOGRAFIA de JOSIAS PIRES

- As Burrinhas da Bahia (1999)
- Ternos e Folias de Reis (1999)
- Folias de Negros (1999)
- Mastros Sagrados e Profanos (2000)
- Caretas e Zambiapunga (2000)
- Chegança de Mouros (2000)
- Lutas de Cristãos e Mouros (2000)
- Caboclos da Festa do Divino (2000)
- Cantos de Trabalho (2001)
- Marujada (2001)
- Bumba-meu-boi (2001)
- Índios do Sertão (2002)
- Dança de São Gonçalo (2002)
- Reisado Zé de Vale (2002)
- Festa de São Roque (2003)
- Cosme e Damião – Os Santos Gêmeos (2003)

Pesquisador e co-roteirista do documentário da TVE-Bahia
"Quixabeira – da roça à indústria cultural" (1998).

FILMOGRAFIA de JOEL DE ALMEIDA

2007 – XISTO BAHIA – ISTO É BOM, curta metragem, ficção, 35 mm. O projeto é resultado do edital de 2005/06, promovido pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia (em fase de produção).

2003 – PENITENTES DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, vídeo documentário, média metragem. Resultado do edital
promovido pela Secretaria do Estado da Bahia em 2004.

2003 – HANSEN BAHIA, curta metragem, 35mm, resultado da terceira seleção de projetos para a produção de curta metragem, patrocinado pela PETROBRAS. Prêmios Quanta e Aruanda, na XXX Jornada Internacional de cinema de Salvador; Menção honrosa e Troféu APCNN (Associação dos Profissionais em Cinema no Norte e Nordeste), no 14º Cine Ceará; Menção Honrosa no Primeiro Festival de Cinema de Belém-Pará.

2002 – CALUMBIS, PÍFANOS E ZABUMBAS, vídeo documentário com 25 minutos de duração, resultado de edital promovido e patrocinado pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia.

2001 – RESISTÊNCIA DO SONHO, vídeo com 25 minutos. Ganhador do prêmio de melhor produção baiana na XXVIII Jornada Internacional de Cinema e Vídeo da Bahia.

1999 – PRETO NO BRANCO, vídeo documentário. O vídeo ganhou Menção Honrosa no Quarto Cine-Vídeo de Curitiba / PR; Melhor vídeo documentário e melhor vídeo nacional no XXIII Guarnicê de Cine-Vídeo do Maranhão.

1994/98 – Realização do episódio PENITÊNCIA, integrante do longa metragem OS SETE SACRAMENTOS DE CANUDOS, produzido pela ZDF Canal 2 de Televisão da Alemanha. Prêmio de Melhor Vídeo e Melhor Direção no VII Cine Ceará; Melhor Vídeo do Festival dos Festivais no III Festival de Curitiba; Melhor Direção no III Vídeo Terra de Brasília; Prêmio Quanta de Melhor Produção Baiana na XXV Jornada Internacional da Cinema e Vídeo da Bahia; Menção Honrosa no Mostra do Filme Livre 2005

Nenhum comentário:

Postar um comentário