Windows Live Messenger

terça-feira, 30 de outubro de 2012


Furacão Sandy afeta costa leste dos EUA
Enviado por luisnassif, ter, 30/10/2012 - 11:45
Por Marco Antonio L.
Atualizado às 11h45
Do G1
Sandy mata 12 nos EUA, 1 no Canadá e inunda Manhattan
Mortes nos EUA ocorreram em seis estados; uma pessoa desapareceu. Prefeito de NY pediu à população para não sair de casa.
O furacão Sandy varreu a costa leste americana na noite desta segunda-feira (29) matando 12 pessoas nos Estados Unidos e uma no Canadá, além de inundar e provocar o caos em Manhattan, na cidade de Nova York, informaram os serviços de emergência.
 John Minchillo / AP Photo)
‘Sandy’ provoca inundação nas obras do Marco Zero, em Nova York. (Foto: John Minchillo / AP Photo)
No Estado de Nova York, Sandy matou cinco pessoas, incluindo um homem de 30 anos atingido pela queda de uma árvore no Queens, disse um porta-voz do governador Andrew Cuomo.
Em Nova Jersey, as duas vítimas fatais também foram atingidas por uma árvore, que caiu sobre um carro no condado de Morris, segundo os serviços de emergência.
 
Duas pessoas morreram na Pennsylvania, uma atingida por árvore e outra no desabamento de uma casa, informaram as autoridades locais.
Em Maryland, uma mulher bateu com o carro em uma árvore e morreu.
Na Virgínia Ocidental, outra mulher, de 48 anos, colidiu com um caminhão em meio a uma tempestade provocada por Sandy, informou a polícia.
No Atlântico, na Costa da Carolina do Norte, uma tripulante de um veleiro réplica do HMS Bounty morreu no hospital após ser resgatada no mar e levada a um hospital. O capitão do barco permanece desaparecido.
Na cidade canadense de Toronto, mais ao norte, uma mulher morreu ao ser atingida por uma placa de publicidade que se desprendeu com o forte vento.
Sandy tocou a terra na noite desta segunda pela costa de Nova Jersey como ciclone extratropical, com ventos de 130 km/h e deslocando-se a 37 km/h. O olho do fenômeno atingiu as proximidades de Atlantic City, de acordo com o boletim do Centro Nacional de Furacões (CNF), com sede em Miami.
Em Nova York, ao menos 250 mil famílias ficaram sem energia elétrica na noite de segunda-feira na região de Manhattan, informou o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, em entrevista coletiva.
   John Minchillo / AP)
Vários bairros do sul de Manhattan ficaram sob as águas e sem eletricidade, disse Bloomberg, que pediu à população para permanecer em casa e evitar sair de carro para não prejudicar o deslocamento das equipes de emergência.
Segundo a CNN, o apagão no sul de Manhattan foi provocado pela explosão em uma subestação que entrou em curto devido à inundação do bairro.
East River e Hudson River transbordaram pela chuva torrencial que caiu na cidade e inundaram túneis. O setor de Battery Park, sul de Manhattan, foi coberto pelas águas.
As forças de segurança fecharam o acesso ao Battery Park e toda a zona próxima a Wall Street ficou deserta, exceto pela presença de carros da polícia, bombeiros e ambulâncias.
Equipes das companhias elétricas trabalhavam sem descansar para bombear água para fora das galerias e restabelecer os serviços, mas milhares de residências permaneciam sem energia. O apagão atingia diversas zonas, incluindo a Universidade de Nova York e alguns hospitais.
No bairro de Chelsea, a fachada inteira de um prédio de três andares caiu, mas sem provocar vítimas.

Fachada de prédio de cinco andares no número 92 da 8ª Avenida que ficou destruída com a aproximação do furacão Sandy. (Foto: John Minchillo / AP)
Vários carros de bombeiros e da polícia fecharam o acesso à Oitava Avenida entre as ruas 14 e 15.
Nova York estava paralisada desde a manhã desta segunda-feira, com a suspensão do sistema de transporte público e o fechamento de tribunais e escolas, além da queda do fornecimento de energia elétrica para milhares de residências.
Cerca de 375 mil pessoas receberam ordem de deixar áreas costeiras da cidade no sul de Manhattan, Brooklyn, Queens e Staten Island.
As autoridades advertiram para os riscos "sem precedentes" do furacão e ordenaram a retirada de milhares de residentes ao longo da faixa costeira que vai de New England (nordeste) à Carolina do Norte (sudeste), mas apesar dos avisos, apenas 3 mil pessoas procuraram os 76 abrigos colocados a disposição em Nova York.
Por volta das 02h30 GMT (00h30 Brasília) de terça-feira (30), o vento perdia força e chovia menos em Nova York, permitindo prever o fim da confusão provocada por Sandy na cidade.
No Canadá, Sandy deixou mais de 68 mil residências sem energia, sendo 30 mil em Ontario e 38 mil em Quebec, após derrubar árvores sobre as redes elétricas, segundo as companhias provinciais Hydro One e Hydro-Québec.
Em sua passagem pelo Caribe, na semana passada, Sandy deixou 67 mortos, milhares de desabrigados e elevados prejuízos.
Do Opera Mundi
Furacão Sandy paralisa costa leste dos EUA ao menos até quarta-feira
Permanência de detentos na prisão de Rikers Island, em Nova York, gerou polêmica nesta segunda-feira
A chegada do furacão Sandy à costa leste dos Estados Unidos na noite desta segunda-feira (29/10) interromperá os serviços básicos em nove estados do país, que declararam situação de emergência ao menos até quarta-feira (31/10). São eles Delaware, Rhode Island, Pensilvânia, Connecticut, Virgínia, Nova Jersey, Nova York, Maryland e Washington.
Pela primeira vez desde 1888, a Bolsa de Valores de Nova York permanecerá fechada por dois dias consecutivos por razões meteorológicas. A última vez que o pregão deixou de ser realizado foi em setembro de 2001, devido ao atentado ao World Trade Center.
O transporte e as escolas públicas de dezenas de cidades, como Washington e Nova York, estão suspensos e a sede das Nações Unidas em Nova York também não funcionará.
Agência Efe
Virgínia é um dos estados que serão mais afetados pelo furacão; população comprou alimentos para deixar em estoque
Os dois candidatos à Presidência dos EUA, Mitt Romney e Barack Obama, cancelaram as atividades de campanha até quarta-feira. Obama, que buscará a reeleição no pleito de 6 de novembro, disse que o país está preparado e que a população deve seguir as instruções de cada local.
Prisão de Rikers Island
Em Nova York, milhares de pessoas que moram nos locais que devem ser mais afetados pelo furacão foram orientados a deixar suas residências. No domingo, o prefeito Michael Bloomberg foi questionado se haveria algum plano de segurança em relação aos detentos de Rikers Island, prisão localizada em uma ilha isolada da cidade.
Irritado, Bloomberg respondeu que a população poderia ficar tranquila, pois “ninguém vai sair de lá”. Com a resposta, demonstrando pouca preocupação com os detentos, o prefeito foi alvo de uma série de críticas nas mídias sociais.
Brasileiros
A reportagem do Opera Mundi entrou em contato com alguns brasileiros que estão nos Estados Unidos. O engenheiro de computação José Torres Calazans, que trabalha para uma empresa norte-americana no Brasil e estava em São Francisco em um congresso da área de tecnologia, teve seu voo desviado de Nova York para Miami.
Torres está desde domingo (28/10) tentando chegar no Brasil. Ele diz que enormes filas se formaram, tanto em São Francisco, como em Miami, e que as pessoas estavam assustadas.
Por volta das 14h30 (horário de Brasília), a pernambucana Myrella Pollyanna, que vive em Boston, uma das cidades que possivelmente será bastante atingida, informava que estava sem energia em sua casa e que os canais de televisão registravam ventos de 85 milhas (135 km). “O presidente está falando aqui que iremos ficar sem energia por alguns dias, assim como sem transporte.”
Agência Efe

Sem transporte público, as ruas de diversas cidades ficaram desertas durante a maior parte da segunda-feira

Nenhum comentário:

Postar um comentário