Windows Live Messenger

sábado, 20 de outubro de 2012








































.




A falta de identificação de Serra
Enviado por luisnassif, sab, 20/10/2012 - 14:18

Por Fábio Lúcio

Comentário ao post "Os motivos da rejeição a Serra"

Acho que a rejeição de Serra deve-se à falta de identificação. Não se identifica mais o Serra. Renato Mezan, no livro "Intervenções", avalia que ele só superou Marta Suplicy em 2004 porque as pessoas viram nele um paizão, um ministro da Saúde que lutou pelos genéricos e contra a aids, como bem citou o Mendonça nas explicações que deu na Folha. Não importa se ele fez mesmo isso tudo ou não, o fato é que o identificaram como tal. E fazia mesmo sentido, considerando-se o histórico que ele tinha conseguido até então imprimir sobre ele mesmo.

A aliança com setores conservadores, o apelo à moral e à religião desfigurou Serra. Não se sabe mais que tipo de político ele é. De Haddad sabe-se que o projeto é sintonizar São Paulo com o lulismo e trabalhar em conjunto para perseverar a popular Dilma Rousseff em 2014. Está claro e ele fez questão de afirmar isso, por isso ganha os votos apesar do conservadorismo atávido de São Paulo (ou talvez, em parte, por causa disso mesmo). E de Serra? Quem são seus aliados? Com quem ele troca ideias sobre política? Quem vai apoiar para presidente? Até o FHC está criticando, ou seja, Serra se tornou um político sem emblema que não seja ele próprio, não representa mais nada. Nem Maluf se desfigurou tanto.

Sabe-se que há um nível de ideologia no eleitor que não é pequeno. Ele não é anódino e apático como geralmente é pintado. Essa ideologia está o tempo todo procurando algo no que identificar-se nos políticos. Às vezes essa ideologia é tão claramente transmitida que chega a ser constrnagedor, como no caso da eleição fenomenal de Tiririca, na qual a mensagem era claramente um protesto (que mostrou-se uma surpresa, porque parece que Tiririca está se saindo bem como deputado).

Enfim, perder o fio da meada que leva ao coração do povo é fatal. Na minha opinião, foi essa a questão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário